Ações sustentáveis de cada um

Alexandre Gontijo, presidente do IEVA (Instituto Eventos Ambientais)

Você já tomou uma iniciativa sustentável hoje? Já pensou em fazer alguma coisa pelo meio ambiente? Estas são perguntas instigastes que às vezes passam despercebidas em nosso dia a dia. Na verdade todas as intervenções do homem junto aos recursos naturais e ecossistemas são consideradas impactantes. 

Algumas vezes positivas e outras extremamente negativas. Na verdade o compromisso de todos nós é conviver com os recursos naturais como elementos integrantes de um sistema que está vivo, e é extremamente inteligente. Muitos gestos de nossa vida às vezes contribuem para um Planeta mais poluído. Mas este quadro, se trabalhado no âmago de cada um, pode se reverter de forma paulatina. O conceito de sustentabilidade, ou ainda de “ser sustentável”, surgiu como uma solução quase inquestionável para as ações descontroladas dos seres humanos quando lidam com recursos naturais. 

Na verdade, na origem do conceito, ser sustentável é fazer uso dos recursos naturais, pensando nas gerações futuras e nos futuros destinatários deste Planeta. Será mesmo que estamos cumprindo estas metas? Ou continuamos ainda com o interesse de desenvolver a qualquer custo, como nas últimas décadas do século passado? Antes de sermos sustentáveis, temos que ser éticos. Segundo o professor John Elkington (sociólogo britânico especialista em responsabilidade corporativa) para que sejamos sustentáveis temos que seguir três pontos principais: ser ecologicamente corretos; economicamente viáveis e socialmente justos.

Estes três pilares da sustentabilidade ainda são cotidianos e precisam ser compreendidos como elementos essenciais às nossas ações. Na verdade estão também alinhados aos três outros pilares do desenvolvimento sustentável, quais sejam o social, o econômico e o ambiente natural. De nada adianta levarmos discursos éticos e livros famosos se não aplicamos a sustentabilidade no nosso próprio dia a dia. Como já afirmei, a sustentabilidade nasce dentro de nós. Se não houver um primeiro passo, de nada adiantarão suas palavras e iniciativas. Portanto, para que possamos ser sustentáveis devemos avaliar TODAS as nossas ações. A iniciar pelos gestos de consumo. 

Devemos ser mais conscientes quando consumimos e quando adquirimos produtos. O consumo consciente é um importante elemento da sustentabilidade. Devemos ler as etiquetas dos produtos e exigir o cumprimento do princípio da informação. Outra iniciativa sustentável é a reutilização dos produtos, evitando-se o descarte indevido. Uma canequinha, um copo dentro de nossas bolsas já diminui em milhões a geração de copos descartáveis.

Fechar a torneira enquanto escovamos nossos dentes, fechar o chuveiro enquanto nos ensaboamos e tampar a pia enquanto lavamos a louça, são pequenos gestos que contribuem para grandes resultados. Recolher o óleo de cozinha após as frituras e destinarmos aos pontos de coleta, do PROVE do INEA/SEA, também é uma atitude que evita a morte de muitos animais.

Separar os resíduos para a coleta seletiva, desligar as luzes e abrir as persianas e cortinas em locais iluminados pelo sol, também são iniciativas que poupam muitos recursos naturais, inclusive o nosso bolso. A utilização das águas das chuvas para lavagem de quintais e pátios, a reutilização da água que sai da máquina de lavar para a lavagem do chão das áreas de serviço, também consistem em iniciativas que podem nos integrar ainda mais a esta tão almejada sustentabilidade. Basta conectar o cano de descarga da máquina em uma bombons e armazenar a água com alvejantes, amaciantes e sabões. Utilizar a frente e o verso de uma folha em branco para a impressão de textos, e ainda utilizar fontes mais econômicas no editor de texto, também são iniciativas extremamente válidas.

Não fazer uso de produtos químicos e de estética que utilizem em seus componentes, produtos extraídos de animais, também compõe o rol de ações sustentáveis que nós poderíamos cobrar de nós mesmos, dia a dia, desde o momento que levantamos de nossas camas, até o momento em que retornamos para ela. Além destas práticas, existe um número infinito de iniciativas que podem nos incluir no rol de cidadãos sustentáveis. Mas de tudo isto, o mais importante e essencial é o componente ético e individual.

É no banheiro, quando estamos literalmente sozinhos, que conferimos a nossa verdadeira ética sustentável. Ali, não há hipocrisia, pois nós mesmos somos as vítimas de nossos próprios erros. Não precisamos de Marketing. Portanto, deixo aqui um desafio: dê o primeiro passo, seja sustentável e mude sua vida praticando apenas as ações acima descritas. E após um mês você estará sentindo, de verdade, sem capas ou maquiagens, a verdadeira essência da ética e o sabor balsâmico da nossa Grande Mãe Terra.